Arnaldo Jardim discute Reforma Tributária com representantes do cooperativismo brasileiro

Por: Assessoria de Comunicação

O deputado federal Arnaldo Jardim (Cidadania) foi um dos representantes da Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop) da Câmara a se reunir, nesta quarta-feira, 25 de setembro, com o presidente Edivaldo Del Grande da OCESP e a diretoria da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB).

O encontro, que também contou com a presença de representantes de três setores do cooperativismo (Agro, Crédito e Saúde), foi realizado para discutir temas como a necessidade de a reforma tributária garantir que a incidência de tributos relativos aos atos cooperativos ocorra na figura do cooperado e não da cooperativa.

Autor da Política Estadual de Apoio ao Cooperativismo, Arnaldo Jardim lembrou que “são praticamente 50 milhões de brasileiros que têm no cooperativismo, direta ou indiretamente, uma fonte de trabalho e de renda. O modelo de negócio cooperativo contribui para o desenvolvimento econômico e social sustentável do Brasil”.

A variação histórica dos últimos quatro anos (2014-2018) aponta para um crescimento de 17,8% na geração de empregos, comprovando a relevância e resistência do setor no mercado. Enquanto a população ocupada no Brasil cresceu 5% de 2014 a 2018, o cooperativismo gerou 425,3 mil empregos diretos em 2018 numa expansão de 42,72% nos últimos 12 anos. A região Sul é a que mais oferece estas oportunidades de trabalho, registrando 226,4 mil empregos diretos, o que representa 53,23% do total nacional.

Em relação a 2017, a variação de crescimento nos empregos no cooperativismo nacional ficou em 6,83%. Esse incremento é puxado pelos ramos Trabalho (441,4%), Turismo e Lazer (54,5%), Habitacional (28,6%) e Consumo (13%).

Uma força expressa em números, como os dados da Organização das Cooperativas do Estado de São Paulo (Ocesp). Somente no ramo agropecuário, são 138 cooperativas paulistas, reunindo 136.708 cooperados.

No Brasil, são 1.555 entidades agro com mais de 1 milhão de pessoas – que têm na valorização do trabalho e no compromisso com a seriedade seu modo de vida. O cooperativismo agropecuário emprega, no País, 209,8 mil pessoas e o número de empregados registrou crescimento de 16% entre 2014 e 2018.

No que diz respeito ao ativo total e ao ingresso e receitas brutas, nossas cooperativas de todos os ramos, registraram R$ 351,4 bilhões e R$ 259,9 bilhões, respectivamente. As cooperativas recolheram aos cofres públicos R$ 7 bilhões em impostos e tributos, apenas em 2018.

Também fizeram a economia girar no ano passado, injetando mais de R$ 9 bilhões na economia, apenas com o pagamento de salários e outros benefícios destinados aos colaboradores.

Além de gerar trabalho, emprego e renda, este modelo de negócios transforma a realidade de milhares de brasileiros todos os dias. Nos últimos oito anos, o número de pessoas que se uniram ao cooperativismo cresceu 62%, gente que quer cooperar por um mundo melhor.

 

Assessoria de Comunicação

Deputado federal – Arnaldo Jardim – Cidadania/SP

comentários