Arnaldo Jardim é eleito pela sétima vez como um dos “100 Cabeças do Congresso Nacional”

Por: Assessoria de Comunicação

 

O deputado federal Arnaldo Jardim (Cidadania-SP) pela sétima vez foi eleito como um dos “100 Cabeças do Congresso Nacional” de 2019. Arnaldo Jardim foi escolhido pela sua habilidade como formulador. O índice é elaborado pelo Diap (Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar).

“Ser mais uma vez eleito me traz ainda ainda mais responsabilidade e vontade de continuar fazendo uma atuação compromissada na Câmara dos Deputados, onde temos prezado por uma pauta positiva e propositiva em nome do Brasil. Continuaremos trabalhando para que este trabalho reflita na vida da nossa população”, considerou Arnaldo Jardim.

O objetivo do Diap ao fazer o levantamento que elege os cabeças do Congresso é fornecer ao movimento social uma radiografia dos principais interlocutores na Câmara e no Senado. Segundo a publicação, o grupo de parlamentares é o que tem “mais habilidade para elaborar, interpretar, debater ou dominar regras e normas do processo decisório”.

Entre os 100 parlamentares que comandam o processo decisório no Congresso, 71 são deputados e 29 são senadores. São os operadores-chave do Congresso Nacional. Isto é, sem esses deputados e senadores o processo político congressual, em 2019, teria, talvez, menos qualidades, no período compreendido de fevereiro a junho, quando foi feita a identificação. A publicação impressa vai ser lançada em breve.

Os “Cabeças” do Congresso Nacional são, na definição do DIAP, aqueles parlamentares que conseguem se diferenciar dos demais pelo exercício de todas ou algumas das qualidades e habilidades aqui descritas.

Entre os atributos que caracterizam um protagonista do processo legislativo, destaca-se a capacidade de conduzir debates, negociações, votações, articulações e formulações, seja pelo saber, senso de oportunidade, eficiência na leitura da realidade, que é dinâmica, e, principalmente, facilidade para conceber ideias, constituir posições, elaborar propostas e projetá-las para o centro do debate, liderando sua repercussão e tomada de decisão.

A pesquisa inclui apenas os parlamentares que estavam no efetivo exercício do mandato no período de avaliação, correspondente ao período de fevereiro a junho de 2019. Assim, quem esteve ou está licenciado do mandato, mesmo influente, não faz parte da publicação.

Além dos 100 “Cabeças”, desde a 7ª edição da série, o DIAP divulga levantamento incluindo na publicação anexo com outros parlamentares que, mesmo não fazendo parte do grupo dos 100 mais influentes, estão em plena ascensão, podendo, mantida a trajetória ascendente, estar futuramente na elite parlamentar. São os parlamentares em “Ascensão” no Poder Legislativo.

 

Assessoria de Comunicação

Deputado federal – Arnaldo Jardim (Cidadania/SP)

comentários