Conferência Internacional Datagro sobre Açúcar e Etanol destaca possibilidades dos carros flex

Por: Assessoria de Comunicação

A cerimônia de abertura da 19ª Conferência Internacional Datagro sobre Açúcar e Etanol teve como destaque a celebração dos 40 anos da assinatura do protocolo entre a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) e o Ministério da Indústria e Comércio, que viabilizou a produção dos veículos a álcool no Brasil. A Conferência foi aberta em São Paulo nesta segunda-feira, 28, e segue com programação até amanhã, 29 de outubro.

A solenidade contou com a participação de autoridades, dirigentes, produtores, empresários, executivos do setor, com destaque para a presença dos ministros Bento Albuquerque (Minas e Energia) e Ricardo Salles (Meio Ambiente); dos deputados Arnaldo Jardim (presidente da Frente Parlamentar do setor Sucroenergético) e Itamar Borges (presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária paulista); do prefeito de Ribeirão Preto, Duarte Nogueira; do diretor da ANP, Décio Odone, entre outros.

Arnaldo Jardim entregou a homenagem feita no evento ao ex-governador Geraldo Alckmin e participou do painel que discutiu o Rota 2030, um novo regime tributário para as montadoras de veículos no Brasil com a contrapartida de investimentos em pesquisa e desenvolvimento de produtos e tecnologias. Com emenda do deputado, membro da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), o Rota 2030 também vai trazer benefícios aos veículos movidos a álcool que terão redução de 3% do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).

“Quando veio a proposta, nós imediatamente nos mobilizamos e apresentamos uma emenda estendendo para o etanol também. Conseguimos o apoio da FPA, aprovamos na Câmara, no Senado e o Presidente reconheceu isso e sancionou. Agora, os híbridos, que terão estímulo para serem desenvolvidos no Brasil, também serão de etanol, o mais amigável e o mais ambientalmente justo”, destacou Jardim.

O presidente da Datagro, Plínio Nastari, destacou que o Brasil é o país que possui a maior frota flex do mundo, com cerca de 33 milhões de automóveis rodando a etanol. Nastari também discorreu sobre a jornada do etanol até os dias de hoje, destacando as vantagens socioeconômicas e ambientais da expansão do uso do biocombustível, culminando com a tendência cada vez maior do lançamento de carros híbridos/elétricos movidos com energia limpa.

Ao falar sobre o RenovaBio, pontuou que a política nacional de biocombustíveis irá incentivar a eficiência energética, precificando o carbono, segundo as regras de mercado. “O Brasil se encontra na vanguarda tecnológica da mobilidade, com as grandes montadoras mundiais atentas ao etanol.”

O RenovaBio também foi destaque na fala do ministro de Minas e Energia (MME), Bento Albuquerque, para quem a iniciativa viabilizará a remuneração transparente dos serviços ambientais gerados pelos biocombustíveis. De acordo com Bento Albuquerque, o RenovaBio dará mais previsibilidade para orientar a produção de combustíveis em geral no País.

Segundo o ministro, o governo tem como proposta expandir o conceito do RenovaBio para outros países e que o assunto será colocado em discussão na reunião dos Brics, que será realizada no Brasil em novembro.

A cerimônia contou, ainda, com uma série de homenagens a personagens que contribuíram para expansão do etanol no País. Foram reconhecidos os ex-ministros Mário Garnero e Camilo Pena; os atuais ministros Ricardo Salles e Bento Albuquerque; além de representantes do setor privado de empresas e entidades, como, por exemplo, Copersucar, FCA, Anfavea.

 

Assessoria de Comunicação

Arnaldo Jardim – Deputado federal – Cidadania/SP

comentários